LAVAGEM DE CARROS PRODUTOS PARA LAVAR CARROS

Lavagem de carros e produtos para lavar carros


Conheça os vários aspectos importantes que devem empregados na lavagem automotiva, principalmente no lavacar, como: a proteção da saúde do lavador, redução dos prejuízos ao meio ambiente, licença ambiental do empreendimento, a caixa separadora de água e óleo, e também como escolher o melhor shampoo para carros, desengraxantes e desincrustante para se obter o melhor custo/benefício na limpeza automotiva.

Já se foi o tempo em que se utilizava para lavar carros produtos cujo principal ativo era o hidróxido de sódio (NaOH), ou soda cáustica, que além de prejudicar o meio ambiente e a saúde do trabalhador, comprometiam a pintura, vidros, componentes metálicos, plásticos e borrachas dos veículos lavados.

Para os lavadores com mais tempo de trabalho na área, estes produtos são conhecidos com os nomes de Intercap e Solupan ( Limpa Baú ) e respectivamente caracterizados pela cor azul e roxa e odor muito característico.

Hoje, creio que por motivos de comercialização, a distinção por cores, acima comentada, ainda é uma referência, mas não uma regra. Há produtos no mercado que invertem esta condição e outros que utilizam outras colorações.

Não estamos “condenando” o hidróxido de sódio, pois este componente ainda é utilizado para formular desengraxantes, desincrustantes e shampoo automotivo e também amplamente utilizado no mercado para o fabrico de vários produtos, desde alimentos a biodiesel e até para desentupir encanamentos, mas há outros componentes químicos que se agregam na formulação para promover a limpeza de veículos com eficiência e menor grau de toxidade.

 

Lembrando que, os produtos para lavagem de carros  disponíveis no mercado são compostos de vários químicos com funções distintas para auxiliar a lavação, com maior ou menor grau de toxidade e prejuízo para o meio ambiente e para a saúde dos trabalhadores, portanto os cuidados quanto ao manuseio, armazenamento e uso destes produtos devem redobrados para se evitar acidentes.  Lembre-se de ter sempre em mãos a FISPQ - Ficha de Informação e Segurança do Produto.



Desengraxantes, desincrustantes e shampoo automotivo

Certamente há no mercado muitos produtos para a lavação de veículos e o que devemos considerar antes de adquiri-los e utilizá-los é nos informar através do rótulo do produto, da ficha técnica ou da respectiva FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos normalizada pela ABNT ou consultar um profissional da área química para nos auxiliar.

Uma dica: Verificando no rótulo a composição química do produto, por norma, sempre o primeiro produto da mistura de químicos é o ativo com a maior quantidade na formulação e que requer os maiores cuidados, logicamente não se deve desconsiderando os demais itens do produto.

Considerando a lavagem externa dos veículos, e a formulação dos atuais produtos disponíveis no mercado que “prometem” ser eficientes para a remoção e limpeza mais abrangente, acreditamos que podemos classificar as sujidades em apenas dois tipos mais abrangentes: 1. Provenientes de compostos orgânicos, como: derivados de petróleo, gorduras, insetos, excrementos de aves, folhas, frutos e, 2. Originados de compostos inorgânicos, como: areia, barro, produtos químicos, chuva ácida, fumaça, fuligem entre outros.

Uma regra muito bem aceita, para selecionar o melhor produto e evitar problemas com danos nos veículos, é verificar a indicação do pH do produto a ser utilizado. O pH ou potencial Hidrogeniônico indica para qual tipo de sujidade o produto será mais eficiente e também irá prevenir para não se utilizar um produto exageradamente “forte” que acabará, se erroneamente diluído, comprometendo a pintura e demais componentes dos veículos.

O pH neutro tem índice igual a 7. Produto com pH ácido, abaixo de 7 é recomendado para a lavação da lataria dos veículos e pH acima do 7 é recomendado apenas para a lavação de rodas e chassi, mas sempre utilizando a correta diluição recomendada pelo fabricante, visto que estes produtos podem acarretar prejuízos já na lavação, como posteriormente possibilitando a geração de ferrugem, ressecamento de borrachas e plásticos, manchas na pintura e também nos vidros.


Escala de pH para enterder o que é ácido, base ou alcalino



Produtos para a lavação externa de veículos

Levando-se em consideração o custo/benefício com qualidade e eficiência, a melhor opção é adquirir produtos concentrados, para posterior diluição, em embalagens com maiores quantidades. Geralmente o custo de aquisição de quantidades maiores de um produto é mais econômico do que comprar o mesmo produto em quantidade menor.

Faça a conta!

Não se deixe levar simplesmente pelo custo do produto, antes de decidir pelo qual irá utilizar no seu lava car ou posto de serviço, é recomendável:

  • Fazer o teste com os produtos que encontrou no mercado ou foram recomendados. Geralmente os revendedores disponibilizam alguma quantidade e também acompanham o teste para esclarecer dúvidas, desde a recomendação da diluição e a melhor forma de aplicação.

  • Qualidade do produto. É melhor escolher por um fornecedor já consagrado pelo mercado e que tenha uma certificação. Isto irá ajudar para que o produto que lhe será entregue será sempre compatível com o que você testou e não haverá alterações de qualidade.

  • Verifique se o fornecedor mantém estoque dos produtos para disponibilização imediata conforme os seus pedidos, ou se a melhor condição é a de manter um estoque em sua empresa para evitar a falta e consequentemente à paralisação da sua atividade por falta de produtos. Lembre que recentemente houve a paralisação dos caminhoneiros que provocou o desabastecimento do mercado.


  • Faça a conta, conforme a tabela abaixo, para ter a certeza que além da qualidade você também terá o melhor custo, ou a melhor relação de custo/benefício.

Relacione os produtos selecionados da seguinte forma:


Como saber se o produto para lavar carros será econômico

  1. Quantidade em litros: Verificar o valor na embalagem do produto

  2. Diluição recomendada: O valor 1:100 significa que 1 litro do produto deverá ser diluído em 100 litros de água. Este valor também está registrado na embalagem, mas pode ser variável também por orientação do fabricante, como: 1:50 para lavagem mais pesada ou 1:100 para lavagem mais leves, dependendo dos veículos a serem lavados. Portanto você irá decidir como fará a sua diluição no seu posto de serviço ou lavacar.

  3. Rendimentos em litros: Com base no Produto 1: 20 litros serão diluídos na proporção 1:100. Isto significa que teremos 20 litros do produto multiplicado por 100 litros de água que resultará em 2.000 litros do produto diluído para uso no seu posto de serviço ou lavacar para atender a lavagem de vários carros dependendo da quantidade de água que você usa para lavar cada veículo.

  4. Valor do produto: É o valor que você pagará pelo produto.

  5. Custo do produto diluído: É o valor que você pagou pelo produto dividido pelo rendimento em litros que você calculou. Este é o custo por litro que você realmente estará gastando ao adquirir um produto.

Podemos concluir que, se a tabela acima representasse os produtos pesquisados por sua empresa, e a opção tenha sido apenas pelo melhor preço, a opção certamente deveria ser pelo Produto 2 que teria um custo final de apenas R$0,06/litro.

Licença Ambiental do empreendimento

Normalmente, quando da renovação da Licença Ambiental do posto de serviço ou lava car, são exigidas para a atividade de lavagem de veículos algumas comprovações, como:

  • Anuência da concessionária de água que a empresa solicitante está regularmente ligada ao sistema de esgoto e que o efluente gerado está sendo encaminhada corretamente;

  • Comprovante de lavação da CSAO – Caixa Separadora de Água e Óleo realizado por empresa que possua Licença de Operação para realizar este serviço;

    Laudo físico/químico da CSAO, gerado após quinze dias da lavação da CSAO, a ser realizado por empresa idônea, referentes aos seguintes parâmetros básicos:
    • DBO – Demanda Bioquímica de Oxigênio,
    • DQO – Demanda Química de Oxigênio,
    • pH,
    • Óleos e graxas, Sólidos Sedimentares,
    • 5. Surfactantes.


    Portanto, estas são exigências ambientais para manter um lavacar, legalmente, em funcionamento.


    Limpeza da CSAO – Caixa Separadora de Água e Óleo

    Importante: A CSAO é um equipamento ambiental importante e obrigatório para o posto de serviço ou lava car.
    Deve ser projetado para atender a vazão do efluente gerado no próprio local de lavação automotiva. Para isto, a área de lavação automotiva deve ser coberta e não deve receber águas de outras fontes, como as provenientes das calhas da própria cobertura ou até mesmo água da chuva. Estes acréscimos podem prejudicar o funcionamento correto da Caixa Separadora ou até mesmo colaborar para que os itens avaliados na análise físico/química apresentem valores incorretos devidos a materiais impróprios, como excesso de excrementos de aves ou outras matérias orgânicas oriundas de outros locais.

    A Caixa Separadora de Água e Óleo é constituída por canaletas que circundam a área aonde a lavação de veículos deve ser realizada e tem a função de conduzir toda a água, óleo e contaminantes para uma caixa receptora dividida em compartilhamentos, geralmente instalada abaixo do piso do posto. Não tem a função de armazenamento e sim a de reter resíduos sólidos, e devido aos compartilhamentos e a correta instalação das tubulações internas, este equipamento aproveita-se que a água e o óleo não se misturam, e a menor densidade do óleo, para manter retido o óleo e dar fluxo constante para a água.

    Acesse o link e compreenda a: Importância e o funcionamento da CSAO.


    Análise Físico/Química da CSAO

    Quanto aos itens da análise físico/química diretamente relacionadas aos produtos utilizados na lavação automotiva: DBO e DQO são itens exigidos para análise de qualquer efluente. Juntos eles apresentam a “poluição” do efluente, ou seja, indicam a biodegrabilidade do efluente ou a nocividade deste efluente para os microorganismos decomporem de forma natural os componentes presentes no efluente. O pH também segue a mesma linha, manter as condições ambientais do meio ambiente adequados para a degradação de compostos de forma natural. Surfactantes ou tensoativos são componentes químicos adicionados na formulação de desengraxantes, desincrustantes e xampus com a finalidade de ajudar a limpeza e fazer espuma, eles “envolvem” as sujidades e facilitam a sua retirada da superfície que está sendo lavada. Este componente é o responsável pela geração de espuma e tem efeitos tóxicos em animais e no ser humano, e a camada de espuma em rios e lagos causa o mesmo efeito do óleo já mencionado.


    Saúde do trabalhador

    Cuidar da saúde do trabalhador é respeitar a pessoa e evitar que alguma questão jurídica prospere após a desvinculação deste colaborador da sua empresa.

    Portanto a recomendação é a de exigir o uso obrigatório dos EPI´s – Equipamentos de Proteção Individual desde o manejo e a diluição quanto para a aplicação e para a execução do serviço no lava car.

    Os produtos químicos constantes nas formulações dos produtos para a lavação de veículos são tóxicos e perigosos, como os ácidos, bases, solventes, tensoativos, corantes e outros que podem causar danos à saúde dos colaboradores.

    E isto independem da sua classificação de fortes ou fracos em relação ao pH. Quando em contato com a pele, podem causar irritações e queimaduras graves.

    Além disso, estes produtos podem gerar vapores mesmo quando diluídos ou misturados com a água acarretando alergias sérias nas mucosas e nos olhos. Melhor mesmo é prevenir!


    Cuidados com o Meio Ambiente

    Você já deve ter ouvido a frase: “Uma gota de óleo polui mil litros de água.”

    Basicamente o óleo, por ser menos denso que a água, cria uma fina película sobre a água que impede a troca do oxigênio do ar com água e, consequentemente, prejudicando a vida que depende deste ambiente, como os peixes, répteis, microrganismos e plantas, e consequentemente o ser humano.


    Já o processo convencional de lavagem de veículos exige um volume considerável de água limpa, e cara, que entra no processo e sai, agora com o nome de efluente, “carregando” vários componentes, como: terra, areia, matéria orgânica, o desengraxante, desincrustante ou xampu que foram usado na lavagem, o óleo lubrificante e graxas que se desprendem do motor ou do chassi e outros.


    Estes componentes podem prejudicar o sistema de esgoto municipal desde a sedimentação no interior das tubulações como no tratamento final deste esgoto para que a água retorne limpa ao meio ambiente.


    Uso de diluidores ou dosadores

    Importante que, fazendo uso de produtos concentrados, se evite o desperdício dos produtos para a lavação de veículos, ou pior, que os colaboradores utilizem estes produtos de forma não diluída ou com diluição menor do que o recomendado. Este fato pode gerar prejuízo para a saúde do trabalhador, para o meio ambiente, podem causar danos nos veículos e prejuízo para o seu bolso.


    Os diluidores ou dosadores são equipamentos que tem o funcionamento semelhante a um carburador, ou seja: a passagem da água na tubulação, “suga” o produto concentrado da bombona que tem o produto concentrado e através de um dispositivo colocado na mangueira é determina a diluição em água.


    Dependendo da quantidade de produtos que são adquiridos, algumas empresas instalam este produto em comodato, sem custo para o seu empreendimento.

     

    Recomendações para lavagem de veículos:

    • Nunca utilize os produtos para a lavagem sem a devida diluição recomendada pelo fabricante;

    • Não realize a lavagem de carros expostos ao sol ou com a carroceria ainda quente. Afinal os produtos que irão retirar a sujeira dos automóveis são produtos químicos que geralmente variam suas propriedades com a temperatura;

    • Sob hipótese alguma deixe os produtos secarem sobre o veículo, pois os produtos de lavação somente param de agir nas superfícies lavadas após o enxágue. Isto pode danificar a pintura e outros componentes, como vidros, borrachas, plásticos e metais.

    • Quando há produtos distintos para a lavação de partes diferentes dos veículos, nunca inverter o uso ou os misture. Os produtos químicos distintos podem ter reações não esperadas, como combustão ou formação de vapores tóxicos, por exemplo;

    • Sempre enxaguar os veículos com água em abundância, para remover além da sujeira a os produtos utilizados na limpeza;

    • Considere a lavagem automotiva a seco, pois acreditamos que este será o processo de limpeza automotiva ambientalmente mais adequado e sustentável a ser procurado pelos seus clientes, visto principalmente o consumo elevado de água utilizado no sistema convencional confrontando assim com a crise hídrica que nos bate à porta.



    Entenda melhor processos de limpeza!

    Processo de Limpeza

    Para finalizar, disponibilizo o material da Empresa QUIMNAC Indústria e Comercio Ltda sobre O Processo de Limpeza.

    Faça o download no link:
    http://www.quiminac.com.br/site/entenda-melhor-processos-de-limpeza/

    O processo é baseado nos seguintes fatores denominado círculo do Dr. Sinner que são: Tempo, Temperatura, Produtos químicos e Ação Mecânica.
    Aproveite!

Contatos: (41) 3598.6964 (41)99956.9964 [email protected]

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa